Anotar à mão rende mais aprendizado que no laptop

Pesquisadores americanos observaram melhor desempenho nos estudantes que utilizam o método tradicional para registrar informações

Laptops e aplicativos de organização pessoal fazem com que o papel e a caneta pareçam antiguidades. Devido a infinidade de ferramentas tecnológicas e organização de notas, parece não fazer muito sentido apostar no bom e velho caderno. Mas a escrita à mão aparentemente ajuda na concentração e estimula o aprendizado de um jeito que a digitação no teclado não é capaz, conforme sugerem novos estudos.

Estudantes que tomam notas à mão geralmente têm um desempenho superior aos dos que fazem anotações em seus computadores, descobriram pesquisadores da Universidade de Princeton e da Universidade da Califórnia, Los Angeles. Comparando com os que digitam suas informações, pessoas que escrevem à mão parecem aprender melhor, reter informação por mais tempo e compreender mais facilmente novas ideias, segundo os experimentos de outros pesquisadores.

O estudo da Universidade de Princeton e da Universidade da Califórnia, publicado em 2014 teve uma dinâmica bem simples. Dois grupos de estudantes foram avaliados em aulas de diversas disciplinas, como biologia, matemática e economia. Só que um grupo tomou notas com laptops; o outro, com papel e caneta.

O grupo que anotou tudo à mão registrou uma quantidade menor de informações, mas conseguiu se sair melhor que a turma que usou notebooks em quesitos como memória, compreensão e capacidade de generalização.

“As anotações escritas captam o pensamento melhor do que digitando”, diz o psicológo educacional Kenneth Kiewra, da Universidade de Nebrasca, que estuda as diferentes formas de fazer anotações e organizar as informações.

Tomar notas é um catalisador para a alquimia do aprendizado, transformando o que ouvimos e vemos em um registro confiável para estudos e revisões posteriores. Na verdade, há algo no ato de escrever que excita o cérebro, mostram estudos sobre imagens do mesmo. “Fazer anotações é um processo dinâmico”, diz o psicólogo cognitivo Michael Friedman, da Universidade de Harvard, que estuda sistemas de fazer anotações. “Você está transformando o que você ouve em sua mente.”

A dica é encontrar o equilíbrio entre os dois meios. Se por um lado a escrita à mão contribui para o aprendizado, por outro, a quantidade de informações que podemos anotar digitando é pelo menos duas vezes maior. A lentidão da escrita com caneta ou lápis muitas vezes nos faz descartar informações importantes. Assim, tentar aproveitar o melhor desses dois mundos talvez seja a atitude mais saudável para a sua produtividade.

Com informações do Valor e Tecnoblog

 

Tags: aprendizado educação tecnologia

Veja mais