Blogueira sueca faz sucesso aos 103 anos

Do alto de sua experiência, Dagny Carlsson avisa “Idosos não são estúpidos”

A sueca Dagny Carlsson nasceu em 1912. “No mesmo ano em que o Titanic afundou”, ela faz questão de lembrar. Achava que já tinha visto de quase tudo na vida, desde as duas guerras mundiais. Mas quando fez 93 anos de idade, Dagny conheceu um computador de perto. E aos cem, resolveu que era hora de lançar seu próprio blog (para acessar a página clique aqui).

Agora, às vésperas de completar 104 anos, Dagny Carlsson ganhou status de celebridade: ela é provavelmente a blogueira mais velha do mundo. Seu blog já ultrapassou a marca da 1,4 milhão de visitantes.

“Os idosos não são tão estúpidos como a sociedade pensa. É preciso mudar esse conceito. As pessoas mais velhas são tratadas, em geral, ou como se fossem crianças, ou como se fossem idiotas. Dizem aos idosos, ‘você não entende isso’, ‘meu velhinho’ e coisas assim. Eu digo que os idosos merecem mais respeito”, diz Dagny Carlsson à BBC Brasil, no escritório onde diariamente atualiza seu blog.

“Bojan”, como ela prefere ser chamada, diz que ouve com certa dificuldade, e dá um tapinha no discreto aparelho de audição para deixar claro que é preciso falar mais alto com ela. Mas nada mais parece indicar que ela vive há mais de 100 anos. Lúcida, ágil nos movimentos, Dagny emana vitalidade. E só precisa de óculos para ler de perto.

Seu primeiro computador, usado, foi dado a ela pela irmã mais nova, que tinha na época 85 anos de idade. Ainda não havia cursos de computador, naqueles idos de 2005. “Mas assim que criaram o curso, me matriculei. A professora não conseguia acreditar nos próprios ouvidos, quando disse a ela que tinha 99 anos”, conta Dagny. De aluna, ela passou a ser instrutora do curso, durante um ano. E assim seu blog nasceu.

“Bem-vindo ao meu blog: sou uma idosa determinada, que gosta de quase tudo. Pode ser uma ópera, mas também pode ser só um papo sobre coisas divertidas ou difíceis. Prefiro as coisas divertidas. As pessoas dizem que eu tenho humor, e que sou bastante franca”, diz “Bojan” na página de abertura do blog.

Em outro post, ela conta como era a vida sem telefone.

“Hoje em dia, qualquer criança tem um telefone celular. Quando eu era criança, poucos eram os que tinham um telefone. As pessoas se falavam através de cartas. Quando alguma coisa urgente acontecia, elaS iam a uma estação telefônica. Nessas estações, havia, em geral, duas cabines de telefone. Era preciso pedir a ligação a uma telefonista, e esperar algumas horas até obter uma linha. Se a pessoa com que se queria falar não tivesse telefone, a telefonista tentava ligar para a casa de um vizinho e pedia para chamá-lo. E custava caro. Então, ninguém ligava sem necessidade. Hoje eu tenho um celular e um telefone sem fio”.

A história completa está no site da BBC Brasil

Tags: aposentadoria futuro qualidade de vida

Veja mais