Como o atleta amador pode melhorar seu desempenho sem sobrecarregar o corpo

O indicado é focar nos benefícios que a atividade física proporciona e tomar cuidados com excessos e altas temperaturas

Muitos atletas amadores querem resultados de atleta profissional, ainda que treinem menos horas. Isso faz com que forcem acima do limite quando estão nas pistas, piscinas ou academias. “A atividade física precisa priorizar a saúde, quando feita de forma inadequada, com uma carga ou intensidade excessivas, pode provocar danos ao corpo”, comenta Drª Karina Hatano, médica do exercício e do esporte. Alguns dos problemas são lesões nos pés, como entorses, nos joelhos e musculares e até o aparecimento de doenças inflamatórias, um exemplo é a canelite, que atinge o osso da tíbia, popularmente conhecido como canela.

Visando saber a medida certa é importante o atleta procurar um especialista para conciliar melhor suas atividades físicas com os treinos e obter um desempenho satisfatório sem qualquer dano à saúde, à vida particular e aos compromissos profissionais. O médico do exercício e do esporte fará uma análise para identificar o gasto calórico do paciente, avaliará as condições de saúde mediante exames clínicos e laboratoriais e vai elaborar um cronograma planejado fornecendo toda a orientação, inclusive no que se refere à alimentação adequada.

Veja os sinais que o corpo dá quando o atleta está treinando demais e descansando de menos:

  • Piora na qualidade do sono;
  • Indisposição;
  • Perda de rendimento;
  • Alteração de humor

Verão escaldante
Com as altas temperaturas, a Drª Karina adverte ainda para a necessidade de se hidratar muito para evitar desmaios, a hipotensão e, não raro, aumento da pressão arterial. “Até duas horas antes é necessário beber cerca de um litro e meio de água. Meia hora antes mais 500ml e, durante o exercício, ingerir também água e isotônico”, ensina. E para saber se está bem hidratado ou não é simples: “a urina precisa estar clara”, resume.

No verão é também indicado concentrar as atividades até 10h e a partir das 16h e evitar treinar na hora do almoço ou em lugares fechados. “Quando praticamos a céu aberto, não esquecer o uso do protetor solar, bem como usar roupas leves que auxiliem a troca de calor”, finaliza a médica.

Fonte: Assessoria de Imprensa Drª Karina Hatano

 

 

Tags: atividade física esportes qualidade de vida saúde

Veja mais