Especial Black Friday

Black Friday à vista

Quem quer aproveitar os descontos do maior evento de vendas do mundo deve pesquisar bastante para não “cair” nas armadilhas do marketing 

Eletrônicos, roupas, cosméticos, livros e produtos do varejo em geral entram na lista de desejos dos brasileiros que querem comprar mais, gastando menos. Quem gosta de uma boa promoção já está na contagem regressiva para a Black Friday, que este ano cai no dia 27 de novembro. Sucesso em diversos países, a última sexta-feira do mês de novembro é marcada por grandes liquidações, com descontos que variam de 50% a 80%.

A expectativa de faturamento para o ano de 2015 é otimista. Segundo estudo realizado pela Rebellion Digital, empresa especializada em desenvolver estratégias para clientes que querem aumentar suas vendas online, a intenção de compra será 32% maior do que em relação a 2014. Cálculos da Associação Brasileira do Comércio Eletrônico, estimam que a data deve movimentar mais de R$ 1,3 bilhão em 2015.

Com proximidade da data, as propagandas começam a ganhar espaço em todos veículos de comunicação. Junto com a expectativa, surge também a desconfiança por parte de alguns consumidores. Afinal de contas, vale a pena comprar na Black Friday? As opiniões são divididas.

O empresário Pedro Ivo fez as contas e já aproveitou para comprar um fone de ouvido importado. “Aproveitei a Black Friday e paguei U$25 num produto que custa, em média, U$ 80. Mesmo com o dólar alto, o item saiu por volta R$ 95. Fiz uma economia de pelo menos R$200, comparando com o preço do mesmo produto aqui no Brasil”, conta.

Entretanto, a insegurança causada pelas altas do dólar e pela crise econômica são pontos que pesam na hora da compra. “Eu entro em todos os sites e vou às lojas. Faço pesquisa de preço. Gastar menos é sempre prioridade”, brinca o analista sistemas, Bruno Moronte, que pretende comprar um celular novo.

Mesmo com um percentual alto de adesão, não é todo mundo que se rende às tentações do consumismo. “Nunca comprei e não pretendo comprar produtos durante a data. Não acho que esses descontos sejam verdadeiros e no fundo as pessoas acreditam em algo que não existe, acabam comprando apenas por impulso. A data é conhecida como Black Fraude“ diz o designer, Hugo Baqui.

De acordo com Felipe Mendes, diretor de Marketing da Rebellion Digital, 96% das pessoas que já adquiram produtos na data ficaram satisfeitos com a experiência e pretendem repetir. “A Black Friday motiva as pessoas a deixar de comprar ao longo do ano, para aproveitar os descontos oferecidos em novembro. Com esse pensamento, o planejamento é melhor e há aumenta no número de vendas”, afirma. 

Para o diretor de marketing da Rebellion Digital é inevitável comprar por impulso, principalmente no meio de tantas tentações. “Muitos acabam comprando algo que não precisam só porque o produto está mais barato, por impulso mesmo. Contudo, não podemos chamar um evento que movimenta milhões de fraude”, explica.

Criada pelos varejistas no início dos anos 90, nos Estados Unidos, a comemoração surgiu graças ao elevado número de vendas relacionadas aos feriados do Dia de Ações de Graça e Natal. Desde então, a data é comemorada todos os anos em países como Canadá, Austrália, Reino Unido, Portugal, Paraguai e Brasil.  

(http://www.blackfriday.com.br/lojasparticipantes)

 7 Dicas para comprar na Black Friday

A data comemorada sempre na última sexta-feira de novembro, conhecida por oferecer descontos de até 80%, está se popularizando no Brasil. Todo ano há aumento no número de empresas participantes e consumidores, porém, é necessário ficar atento a alguns pontos para fazer um bom negócio.

Pesquise antecipadamente preços e lojas
Se o consumidor estiver de olho em um produto específico e está aguardando a Black Friday para aproveitar um possível desconto, ele deve começar desde já a pesquisar o valor e também as lojas, avalia Ricardo Ramos, fundador da Precifica, empresa especializada em precificação inteligente de produtos no comércio eletrônico. "É importante ficar de olho, dias antes da Black Friday, no comportamento das lojas em que tem interesse em comprar algum item", afirma. "Entender o comportamento destes varejistas garante que o consumidor faça um bom negócio em vez de adquirir um produto que, na verdade, nunca esteve realmente em promoção", complementa Ramos.

Cuidado com pagamentos por boleto bancário

Um dos maiores meios para a realização de fraudes, o pagamento por boleto bancário deve ser efetuado com a maior cautela, avalia Daniel Bento, VP de Meios de Pagamento e Antifraude da ABComm. "Há dois perigos ao se comprar com boleto: a alteração dos dados de pagamento, o que faz com que o valor caia na conta dos fraudadores, e o risco de a loja sumir com o dinheiro e não entregar o produto", afirma. Bento diz que é sempre bom buscar se não há reclamações anteriores das lojas em sites como Reclame Aqui e em outros fóruns de atendimento ao consumidor. "Um boleto em arquivo PDF é bem mais seguro do que um impresso direto na página", complementa.

Atente-se às condições de troca e devolução

Em razão da Black Friday, algumas lojas podem alterar as políticas de troca e devolução de alguns produtos que entrem em promoção. Por isso, é importante que o consumidor tenha total atenção a essa questão antes de efetuar a compra, alerta Luan Gabellini, sócio-fundador da Betalabs, empresa especializada em gestão de comércio eletrônico. "Para o consumidor, a dica é sempre ficar muito atento a letras de rodapé e eventuais condições diferentes de entrega que a loja possa aplicar nesse período", afirma. "Garantia do produto e política de troca e devolução também podem virar pegadinha", acrescenta.

Priorize as compras com cartão de crédito

Por mais que as compras por boleto bancário possam oferecer descontos maiores, o mais seguro para os consumidores é priorizar a compra pelo plástico, avalia Daniel Bento, da ABComm. "O método de pagamento mais seguro que existe é o cartão de crédito", afirma. "O consumidor sempre terá a ajuda do banco caso alguma coisa errada aconteça".

Relacione-se com a empresa via SAC

Se o consumidor que pretende adquirir algum produto tiver dúvidas sobre o item e sobre as condições de compra ele deve entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor da loja, avalia Albert Deweik, diretor da NeoAssist, empresa especializada em atendimento ao consumidor. O internauta que efetivamente realizar compras no dia do evento também deve se preocupar com o pós-venda. A semana pós Black Friday é quando geralmente ocorrem as reclamações dos internautas que realizaram as compras. É direito do consumidor buscar o SAC para resolver possíveis problemas da compra, avalia Deweik.

Procure antecipar as compras de Natal

Produtos como eletrônicos e eletrodomésticos devem passar por grandes promoções por serem os mais demandados. Para o consumidor, pode ser interessante antecipar algumas compras, já que algumas lojas devem fazer promoções mais agressivas na Black Friday, avalia Eduardo Gimenes, gerente de Marketing da Tray, especializada em criação de lojas virtuais. "A estratégia para a Black Friday geralmente é mais agressiva em função do tempo, sendo, teoricamente, um dia de grandes vendas e ofertas", afirma.

Cuidado com promoções recebidas por e-mail

São em eventos como esse que os fraudadores aproveitam a oportunidade para roubar dados de consumidores que recebem promoções via correio eletrônico. Por isso, é importante que o internauta tenha cuidado ao clicar em links recebidos por meio de e-mail marketing, avalia Victor Popper, sócio-fundador da All In, empresa de marketing digital da Locaweb voltada para e-mail marketing. O consumidor deve observar a extensão do destinatário do e-mail e verificar se corresponde de fato ao da loja virtual. Esses links podem levar o internauta a sites que são cópias dos originais, mas que servem apenas para roubar os dados, alerta Popper.

(Fonte http://abcomm.org/)

Tags: Albert Deweik black friday cartão de crédito consumo Daniel Bento descontos Felipe Cardozo Felipe Mendes Luan Gabellini promoções Ricardo Ramos

Veja mais