Quitar o financiamento do carro antes do tempo previsto vale a pena?

O alívio psicológico de se livrar da dívida é enorme, mas é preciso entender que essa é uma questão matemática

Você recebeu um dinheiro extra que dá para saldar as 12 prestações restantes de um financiamento de automóvel feito em 48 meses. Aí, surge a dúvida: será que é bom negócio pagar antecipadamente? É melhor não se precipitar. A resposta para essa dúvida depende de vários fatores.

Contas equilibradas
“Se a prestação cabe dentro do seu orçamento e não está atrapalhando sua vida financeira, não vale a pena abreviar o pagamento do que falta só para se ver livre da dívida. Melhor que isso é investir o dinheiro, principalmente se você não tem nenhuma poupança de reserva para cobrir imprevistos, e continuar pagando o financiamento”, diz o educador financeiro Silvio Bianchi, da DSOP Educação Financeira.

Na ponta do lápis
O alívio psicológico por se livrar da dívida é enorme, mas é preciso entender que essa é uma questão matemática. Antecipar o pagamento das prestações do financiamento do carro com taxa menor de 2% ao mês não é tão vantajoso quanto parece. O motivo é simples: o desconto dado pelo banco pela antecipação é muito baixo. Geralmente, o percentual do juro mensal do empréstimo não corresponde ao desconto oferecido pelos bancos no caso de você resolver quitar o débito.

Taxa de juros, sempre ela
“Só vale a pena adiantar o pagamento se o banco retirar todo o juro do financiamento correspondente às parcelas antecipadas, em especial, se as taxas forem altas”, diz o educador financeiro Silvio Bianchi. Na verdade, o abatimento proporcional dos juros e dos demais acréscimos legais aplicados no contrato é obrigatório quando há o pagamento antecipado em lojas, bancos ou financeiras, caso a dívida vença em até 12 meses. Mas, na prática, as coisas não funcionam bem assim.

Não é fácil conseguir a redução, principalmente em empréstimos de longo prazo, de 48 a 60 meses.  A instituição financiadora pode lançar mão de um drible contábil levando em conta a flutuação da taxa Selic do início do financiamento à quitação antecipada. No final das contas, o montante referente à retirada dos juros diminui. “Se o desconto pelo pagamento antecipado das prestações for menor, empatar ou, mesmo, for pouca coisa a mais do que você receberia por uma aplicação de baixo risco, é melhor continuar pagando seu financiamento com o salário do mês e deixar seus investimentos rendendo juros”, finaliza Bianchi.

Tags: carro consumo Dívidas e Financiamentos economia na prática financiamento orçamento taxa de juros

Veja mais