Saiba como poupar parte do seu salário

É possível deixar de ficar com a conta no vermelho e ainda poupar mensalmente

Você deve ter clicado aqui um pouco descrente. Afinal, mal consegue terminar o mês com as contas no azul, não é? Pois saiba que essa matéria tem justamente o objetivo de ajudá-lo a mudar o seu perfil: deixar de ser o consumidor que gasta mais do ganha para se tornar um poupador, que consegue reservar parte das suas despesas para investir e, ainda por cima, fazer o dinheiro trabalhar a seu favor. Duvida que consegue chegar lá? Comece lendo esse texto até o final. Depois, é só reunir uma boa dose de disciplina e disposição para colocar o plano em prática. As orientações são da consultora especialista em finanças pessoais Evanilda Rocha, da Dinheiro Inteligente.

Passo 1: escreva em um papel ou em uma planilha do computador quanto você ganha por mês. Mas atenção: não estamos falando do seu salário bruto e sim do valor líquido, o que resta depois de feitos os descontos em folha relativos ao INSS, ao plano de previdência privada, ao Imposto de Renda retido na fonte, ao plano de saúde, entre outros.

Passo 2: na mesma planilha ou em outra, liste todos os seus gastos mensais, dividindo-os em essenciais ou supérfluos.

Passo 3: para fazer o seu dinheiro sobrar, comece focando a sua atenção nos gastos supérfluos, que podem ser reduzidos logo de cara. Porém, para saber onde cortar, é preciso que tenha feito direitinho a lição de casa no passo anterior. É essencial, por exemplo, que tenha anotado o gasto com o cafezinho na padaria, com a condução que pegou no final de semana, entre outras despesas consideradas pequenas e que, somadas, podem, sim, consumir mais do que 10% do seu salário. Justamente o que deveria ir para a poupança ou para outro tipo de aplicação, como a previdência privada.

Passo 4: agora é a hora de prestar atenção nos seus gastos essenciais, pensando em maneiras de reduzi-los. Nas compras em supermercados, feiras livres e açougues, por exemplo, nunca chegue ao estabelecimento sem uma lista do que quer comprar e uma ideia de quanto pode gastar ali. Isso evita que compre por impulso. Outra dica é avaliar as contas de telefonia fixa, móvel e TV a cabo. Vale entrar em contato com as operadoras para tentar negociar pacotes mais vantajosos de tempos em tempos. Com essa medida, muitas vezes é até possível continuar usufruindo do mesmo tipo de serviço, porém, pagando um preço bem menor por ele.   

Passo 5: feitos esses ajustes nas despesas, antes mesmo de começar a poupar, organize-se para saldar débitos que porventura estejam atrasados.  Afinal, pagar contas em dia, arcar com as despesas integrais do seu cartão de crédito e sair do cheque especial são medidas que evitam o desperdício de dinheiro com juros. E pode ser que até mais de 10% da sua receita esteja indo pelo ralo só com esses gastos. Já parou para pensar nisso?

Passo 6: sem pendências financeiras, com a conta no azul e uma sobrinha no saldo, chegou a hora de pensar em guardar. A orientação dos especialistas é fazer uma programação do que vai precisar gastar logo no começo do mês e, assim que cair o salário, já investir a sua reserva. Se esperar até o final do mês, é muito maior a chance de acabar gastando por impulso, desperdiçando o que poderia ter economizado.

Passo 7: daí em diante, mesmo se decidir investir parte do que poupou na compra de um produto ou serviço, como um eletrodoméstico, espere até juntar o valor total do bem para depois ir à loja. E, claro, negocie um bom desconto para pagar à vista.

Com essas medidas, seu dinheiro certamente irá render cada vez mais e se tornará fácil poupar não apenas 10% do salário, mas até uma soma maior, capaz de viabilizar os seus grandes sonhos, que dependem de um alto investimento financeiro. Experimente começar e não vai mais querer parar!

Tags: Evanilda Rocha orçamento organização financeira poupança

Veja mais