Seja racional com seu dinheiro!

Por menor que seja a despesa, pensar de forma coerente com suas possibilidades evita problemas

Começar a dieta na semana que vem.  Se matricular numa academia no início do mês. Atire a primeira pedra quem nunca pensou em adquirir novos hábitos. O problema é que entre pensar e agir existe uma grande distância. Com as finanças não é diferente. Muitas vezes, abandonamos a razão, o orçamento doméstico e até o limite do cartão de crédito para comprar algo que não precisamos, gastando um dinheiro que não temos.

E isso é normal. Essa dificuldade é própria do ser humano. A ciência explica: muitas de nossas decisões são tomadas de maneira irracional nos mais diversos campos da vida. Primeiro agimos, depois pensamos nas consequências. E com as finanças não é muito diferente.  Por isso, lições como “quanto mais você poupa, mais opções você tem para o futuro” ou “quanto mais você gasta, menos sobra no final do mês”, são simples e, mesmo assim, pouca gente consegue colocar em prática.

Num cenário ideal, cada despesa, por menor que seja, precisa ser decidida de forma coerente. Do contrário, você não está sendo racional ao lidar com seu dinheiro. E isso, em longo prazo pode trazer consequências não muito agradáveis. Por isso é essencial buscar a educação financeira. Quanto maior seu conhecimento sobre finanças, maiores as chances de tomar decisões acertadas sobre o que você anda fazendo com seu dinheiro.

De acordo com o consultor financeiro, Samy Dama, monitorar gastos, evitar o desperdício e estudar novas formas de investimento são fundamentais para aumentar o nível de racionalidade ao longo do tempo. Em momentos de economia fraca, como agora, é bom estar preparado, munido de informações para não tomar decisões equivocadas. O dinheiro precisa trabalhar para você e não o contrário.

Tags: comportamento despesas educação financeira planejamento financeiro receitas Samy Dama

Veja mais