Seu filho adolescente tem problemas para lidar com dinheiro? Veja algumas dicas

É necessário orientá-los pois em pouco tempo ingressarão na vida adulta

A educação financeira dos filhos deve ser iniciada na infância, mas é comum encontrar muitos adolescentes que ainda não entendem o valor do dinheiro. Se esse é o caso de sua família, é necessário agir rapidamente, para o bem dos jovens que, em pouco tempo, ingressarão na vida adulta. O consultor Dori Boucault, advogado especialista em Direito do Consumidor, diz que algumas famílias temem tocar no assunto com receio de conflitos. É uma decisão errada, que poderá trazer consequências desastrosas para o futuro. “Os pais devem mostrar a realidade, o que pode e o que não pode, o que é supérfluo e o que é importante”, orienta.

Roberto Vertamatti, diretor de economia da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade, diz que os pais devem transmitir aos adolescentes valores que o ajudem a vencer o imediatismo que está tomando conta da sociedade nos dias atuais. “Essa postura deve-se, em parte, ao consumismo, muitas vezes exagerado e que não promove qualidade de vida”, diz ele.

Segundo o especialista, algumas atitudes adotadas pelos pais com o intuito de orientar a vida financeira dos filhos nem sempre dão bons resultados. É o caso da mesada. “Ganhar o dinheiro sem esforço pode não ajudar na educação financeira”, considera o especialista. De qualquer forma, se a opção da família é dar uma mesada, então deve fazê-la com muito critério, ensinando o jovem a planejar o uso, diz Vertamatti. “O melhor seria o jovem fazer algum trabalho e ser remunerado pelo serviço”, afirma. Contudo, considera o especialista, a legislação brasileira não permite que crianças trabalhem antes dos 14 anos e, mesmo nessa idade, há muitas restrições. Assim, ele sugere que o adolescente preste pequenos serviços remunerados, eventualmente em alguma atividade profissional da própria família, como aprendiz, desde que a carga horária não atrapalhe os estudos.

Tão importante quanto transmitir boas orientações, dizem os especialistas, é dar bons exemplos de uso responsável do dinheiro. De nada adianta os pais ensinarem o controle de gastos e, depois, se endividarem para custear uma festa ou uma viagem para os filhos adolescentes.  “Os pais devem conscientizar os filhos de que o importante para ser feliz não é ter coisas, mas, sim, viver com consciência, comedimento e sem exageros. O consumismo não traz felicidade, mas a inadimplência, ao contrário, pode causar sérios problemas”, diz Vertamatti.

Tags: consumo educação financeira família filhos futuro organização financeira

Veja mais