Sr. Dinheiro fala sobre educação financeira no aniversário do OABPrev

O economista afirma que é preciso saber administrar as finanças para não ter prejuízos futuros

Como controlar gastos e planejar o futuro. Esses foram alguns temas debatidos na última quinta-feira (11) durante palestra oferecida pelo Fundo de Previdência da Ordem dos Advogados de Goiás (OABPrev Goiás) para os associados. Com o intuito de auxiliar os convidados diante da atual crise econômica brasileira, o evento contou com a presença do economista Luis Carlos Ewald, conhecido como Sr. Dinheiro.

Famoso pelas participações em programas de televisão, a qual orientava sobre economia doméstica, orçamento e finanças pessoais. Pós-graduado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/RJ) em Mercado de Capitais, atua como consultor em empresas e é autor, dentre outros, do livro “Sobrou Dinheiro – Lições de Economia Doméstica e Economia Financeira”.

Confira a entrevista dada ao portal.

Qual é a importância de um evento, como este, que a OABPrev esta oferendo?

Sr. Dinheiro: Por mais que possamos pagar para ter um INSS, uma aposentadoria oficial tem um limite. Se eu ganho hoje R$10 mil por mês, ganharei R$4.400 mil quando me aposentar, se eu estiver recolhido sobre o teto. Então, vai faltar dinheiro para os R$10 mil e para manter meu padrão de vida.

E no caso dos advogados e outros profissionais liberais? Muitos deles não têm uma renda fixa, trabalham por demanda. Como ele pode se organizar?

Sr. Dinheiro: Muito fácil. Nós estamos começando em 2015. Em 2014 você fez o seu imposto de renda. Então, você vai ver quando ganhou na média do ano. E preciso pensar da seguinte forma: Eu preciso poupar. Colocar em um fundo de previdência, em uma poupança, em ações e fazer um plano de investimento para me garantir no futuro e ver um percentual. Toda vez que receber um valor, de qualquer trabalho se for tirado 15% e colocar na previdência, está resolvido.  Tudo que entra você tira 15%. Ganhou R$ 50 mil no inventário tira R$7.500 mil e guarda, mas, logo na entrada.

E quanto mais cedo se pensar nisso é melhor?

Sr. Dinheiro: O tempo tem uma importância muito grande. Se a pessoa começar a poupar com 25 anos, a diferença é muito grande para quem começa aos 35. Tem que colocar isso na cabeça das pessoas.

Estamos em um momento difícil, como o professor mesmo disse. Dá para enxergar alguma oportunidade de investimento ou é melhor esperar?

Sr. Dinheiro: Há uma pressão muito grande dos analistas e especialista, dizendo que a nova crise na China representa oportunidade. Isso tudo é besteira. Se você aplicar e investir em uma época dessa, seu risco é grande. Então, você pode fazer um mal negócio por causa disso. As pessoas têm que pensar nisso. Está na idade de arriscar?  Quem tem entre 20 e 25 anos pode arriscar, mas a partir dos 40 anos não é aconselhável.  

A poupança está entre os investimentos preferidos do brasileiro. Mas, agora a taxa de rendimento está baixa. Você acha que ela ainda é um bom investimento?

Sr. Dinheiro: Se aplicar no plano de previdência é melhor. A taxa é melhor, porque a poupança vai dar 12%, 13% ao ano na taxa CDI. Mas, a poupança tem a grande vantagem. A possibilidade de tirar quando quer e depositar quando quer, é só falar com o gerente e juntar. Quando você tem um dinheiro grande, como R$50 mil, aí é hora de sair da poupança, você tem opções melhores no mercado. Agora, está juntando cerca de R$200 mil, R$400mil não fique preocupado com isso.

Então não tem segredo? Tem que ser “Pão duro” mesmo?

Sr. Dinheiro: O negócio é o seguinte. Se o médico diz para você, que se não andar e não praticar exercício, você irá morrer do coração. A decisão é sua. Se quiser morrer do coração, morra. Então é isso que está acontecendo. Se não tomar providências, vai falir, vai quebrar, vai ter estresse. É o que eu falo sempre: Toda dieta é boa, desde que seja feita.

 

Tags: economia educaçãofinanceira entrevista sr.dinheiro

Veja mais