Você sabia que há incentivos tributários para quem investe em previdência?

Além do benefício futuro, investir em previdência rende bons frutos no presente


Para estimular os investimentos em previdência complementar e promover a formação de poupança interna de longo prazo, o governo criou os incentivos tributários, que permitem aumentar a rentabilidade dos investimentos em planos de previdência.

Nos fundos de investimento, a cada seis meses, é feita a cobrança de Imposto de Renda sobre os rendimentos. Essa cobrança ocorre mediante a retirada do valor do imposto devido sobre a quantidade de cotas, por isso essa tributação é conhecida como Come-Cotas.

Já os investimentos feitos pelos planos de previdência não são tributados durante todo o período de acumulação. Nessa fase, todos os rendimentos ficam para o participante, aumentando significativamente o valor de sua reserva no futuro. Não existe o Come-Cotas nos investimentos em previdência complementar.

A escolha certa

Desde 2005, os participantes de planos de previdência têm a opção de escolher entre dois regimes diferentes de tributação: o regime progressivo e o regressivo. A diferença será na forma de calcular e cobrar o Imposto de Renda no momento do resgate ou recebimento da aposentadoria. A escolha por um ou outro regime dependerá das características individuais de cada poupador e de seus planos para o futuro.

O regime progressivo utiliza a Tabela Progressiva de Imposto de Renda. Quanto maior o rendimento, maior será a alíquota de imposto. Fazendo a opção por esse regime, o participante poderá, na Declaração Anual de Ajuste do IRPF, fazer deduções de gastos com dependentes, despesas com saúde, etc.

No regime regressivo, quanto mais tempo os recursos ficarem aplicados, menor será a alíquota do imposto no momento do resgate ou do recebimento do benefício. Nesse caso, o imposto é cobrado de forma definitiva, de acordo com os valores da Tabela Regressiva (variam de 35% a 10%), não sendo permitidas deduções de despesas na declaração de anual de IR.

Mais uma vantagem

Dentre os benefícios oferecidos aos participantes de planos de previdência complementar, o mais conhecido é o que permite desconto de até 12% da renda bruta tributável com contribuições feitas a planos de previdência. Esse benefício é conhecido como diferimento tributário. Para usufruir dessa vantagem, o participante deve ser contribuinte do INSS e usar o formulário completo na declaração de Imposto de Renda.

A cada final de ano, é interessante fazer as contas e verificar se a soma das suas contribuições ao seu plano de previdência complementar, fechado ou modelo PGBL, já alcançaram esse percentual. Caso isso não tenha ocorrido, uma boa opção é fazer uma contribuição extraordinária para o seu plano. Assim, o participante tem a chance de diminuir a parcela destinada ao Leão e, o mais importante, aumentar o seu saldo de conta.

Tags: imposto de renda incentivos tributários previdência

Veja mais